Resenha: Gallagher Girl



Gallagher Girl é uma série de livros escrita por Ally Carter, que conta as aventuras de Cameron Morgan, uma garota que estuda em uma escola para espiãs, escondida atrás de uma fachada de escola para garotas extraordinárias. Filha da diretora, a garota conhece a escola como a palma de sua mão, domina diversas línguas diferentes, sabe se esconder como ninguém.


A série consiste em seis livros. No Brasil, ela foi publicada pela Editora Galera Record, mas apenas até o quarto livro.


É difícil falar sobre a série como um todo e explicar o motivo pelo qual eu gosto dela - principalmente, do caminho que ela toma - sem dar spoilers. Prometo tentar limitá-los, mas fica o aviso de que há spoilers (pelo menos em quantidade reduzida) nessa resenha.


Comprei o primeiro livro em 2011 (faz tempo, hein?), quando viajei para Londres pela primeira vez. Nunca tinha ouvido falar da série, acho que ainda não tinha chegado no Brasil (ele é vendido aqui pela Editora Galera Record). Comprei o primeiro pelo título e pela capa. E comprei o segundo junto, just because.

Li o primeiro. Foi difícil entender tudo, porque meu inglês na época era bom, mas eu não estava acostumada a ler romances em inglês. Gostei, mas sabe-se lá porque, não li o segundo. Em 2016, minha mãe foi para Nova York e comprou os quatro livros que faltavam da coleção... que ficaram guardados no meu armário para sempre, como todos os outros livros da minha meta de leitura dos últimos quatro anos.

>> Leia também: Lista de Leitura - 2020

Com a minha decisão de colocar um ponto final na minha enorme lista de não livros em 2020 (com direito a doar e vender TODOS os livros não lidos em dezembro de 2020), chegou o momento de ler a série inteira. Reli o primeiro livro e, apesar de não ser a mesma adolescente de 2011, eu gostei e ouso dizer que gostei ainda mais porque hoje em dia meu inglês é fluente. E a apreciação pela série foi apenas crescendo durante os livros.

A série me prendeu por completo. Li todos os livros como um flash e fazia um bom tempo que eu não lia tão rápido. A narração da Ally Carter é uma delícia e ela termina todos os capítulos com alguma tensão, fazendo com que você não consiga largar o livro e fique sempre naquele "só mais esse capítulo". É claro que tem algumas falhas, como ela repetir quinhentas vezes que a protagonista é uma espiã (e em algum momento, isto ficar repetitivo), mas não é algo que atrapalha por completo a experiência.


O primeiro livro nos apresenta Cameron Morgan, a Camaleão. Ela é poliglota, capaz de derrubar qualquer um em um confronto, capaz de esconder na multidão como ninguém.. mas não faz a menor ideia de como se relacionar com um rapaz. I'd Tell You That I Love You, But Then I'd Have to Kill You (em português, Escola de Espiãs) tem seu charme ao tratar do romance adolescente entre uma espiã e um garoto normal, mas no enredo como todo, é apenas a apresentação do universo.



Começamos a enxergar isso no segundo livro, Cross My Heart and Hope to Spy (em português, Espiã para sempre), quando o par romântico de Cammie é trocado e, apesar de ter um enredo de romance, ele deixa de ser o foco. Neste livro, quando um grupo de garotos espiões se muda para a mansão das Gallagher Girl e passa um semestre lá, coisas estranhas começam a acontecer, então Cammie e suas amigas se questionam se podem confiar neles.



O verdadeiro plot da série começar aparecer no terceiro livro, Don't Judge a Girl by her Cover (em português, Espiãs também se enganam). Macey McHenry, uma das melhores amigas de Cammie e e descendentes da fundadora das Gallagher Girls, está sendo perseguida por uma organização terrorista e nada impedirá que Cammie tente salvar a amiga. O terceiro livro é o mais devagar de todos, com Cammie escapando da escola com frequência para ter certeza que Macey está bem, mas tem um bom plot twist ao final.



O quarto livro, Only the Good Spy Young (em português, Espiãs se arriscam em dobro) começa de uma forma absurdamente assustadora, porque trás outro plot twist que te deixa maluco: uma das pessoas em quem Cammie mais confia é revelada como traidora. E Cammie não sabe mais em quem pode confiar, enquanto luta contra a organização terrorista (Circle of Cavan, em português, o Círculo) a que fomos apresentados no livro anterior. A melhor parte deste livro é como ela consegue ligar com segredos e interações dos livros anteriores.



O quinto livro, Out of Sight, out of Time, é o mais obscuro de todos. A premissa desse livro é que a Cammie perdeu a memória durante o verão e os personagens estão tentando refazer os passos dela para descobrir o que ela fez e o que ela sabe. Definitivamente a Cammie deste livro não é a Cammie que conhecemos no primeiro livro, mas antes coisas aconteceram com ela que faz sentido. A jornada dela é de partir o coração, ao mesmo tempo em que você fica na ansiedade de entender o que está acontecendo. 


O sexto livro, United We Spy, contudo, perdeu o ritmo que os dois livros anteriores estavam ganhando. Não é um livro especificamente parado, como foi o terceiro, mas em comparação aos outros livros, tem uma narrativa fraca. Tem alguns pontos fortes na trama, mas é, provavelmente o pior dos livros das série. Não é ruim em si. Ally Carter ainda mantém sua narrativa de um forma deliciosa... Mas eu esperava um amadurecimento muito maior dos personagens neste livro. Não senti um verdadeiro fechamento de nenhum dos arcos dos diversos personagens principais.



A série tem plots é bem trabalhados e cada livro carrega grandes consequências para o próximo. Como trama geral, acho que tem muitos pontos positivos, mas acho que teve um pouco de enrolação em pelo menos dois livros, principalmente o último. Apesar de eu ter gostado do final e de como não há pontas soltas, eu esperava um final mais grandioso (confesso).

Reconheço os méritos e acho que, como literatura infanto-juvenil, é uma ótima pedida. Recomendadíssimo!

Postar um comentário

0 Comentários