Embarcando no Mundo de Magic



Escutei muito sobre Magic antes de conhecê-lo, principalmente sobre como ele é viciante ou como as pessoas gastam muito dinheiro com ele, mas nunca entendi direito o que era. Disseram que era muito parecido com o Yu-Gi-Oh, com a história de trazer monstros e batalhar contra seu oponente até que a vida de um dos dois chegue a zero. Apesar de ter um conceito simples, parecia-me sempre muito confuso, até que na CCXP 2018 eu encontrei o estande da Magic e decide descobrir como se joga.

O estante tinha mesas para quem quisesse conhecer o jogo e no final você ainda ganhava um starter pack. Eles me deram uma folha, explicando como funciona cada um dos baralhos. São cinco cores e eles funcionam de formas diferentes:

[Branco]
A mana branca representa a ordem, a justiça e a proteção. No jogo, a cor branca apresenta-se com equilíbrio ao utilizar seus próprios recursos, bem como o de outras cores. Tem grandes criaturas e cartas com efeitos de controle e cartas de proteção, prevenção e também ganho de vida são típicas desta cor.

[Azul]
A mana azul representa o controle dos elementos da água e do vento, além do conhecimento místico e da ilusão. É a magia da enganação, e da trapaça. A sua mecânica de controle se sustenta na manipulação, ou seja, na capacidade de permitir ou não as jogadas do adversário. Normalmente, baralhos azuis conseguem apenas chegar ao seu objetivo muitos turnos após o início do jogo, por isso é uma cor de paciência e estratégia.

[Preto]
A mana preta representa as trevas e  a morte. A cor preta tem a maior seleção de cartas dedicadas à destruição de criaturas do jogo, é também a cor típica de descarte e a capacidade de reutilizar criaturas no cemitério. É uma cor autodestrutiva, buscando destruir o adversário ligeiramente mais depressa que a si mesma.

[Vermelho]
A mana vermelha representa o fogo, a destruição e o caos. A cor vermelha é a mais rica em dano direto, na destruição de terrenos e artefatos. A sua capacidade de se defender é como tal praticamente inexistente. É considerada a magia do mago impetuoso, sem pensar sem medir, sem tempo de pena.

[Verde]
A mana verde representa a natureza, a vida, o crescimento e a força bruta. Entre as cartas verdes, encontram-se a maioria dos aceleradores de mana, assim como conectores para criar mana de outras cores, criaturas com grande poder e a habilidade de deixar suas criaturas mais fortes. O deck verde é considerado também como o deck dos "esmaga crânios", criaturas monstruosas e gigantescas, que crescem a cada turno.


Na minha partida de estréia, eu fui guiada pelo monitor, ou devo dizer: ele praticamente jogou para mim a partida inteira, apesar das cartas estarem na minha mão. O baralho inicial que escolhi foi o vermelho, apesar de não ter entendido direito como funcionava cada cor (as explicações que encontrei na internet depois foram melhores do que a que recebi lá no evento). Ganhei a partida sem entender direito o que estava acontecendo. Fui embora com meu starter pack, um baralho misturando cartas vermelhas e cartas brancas, e nunca mais joguei.

Meu reencontro com Magic foi apenas em outubro desse ano, mais especificamente na BGS 2019, quando descobri que existe uma versão online do jogo, muito mais rápido e barato de conseguir cartas novas, mas igualmente viciante.

A versão online de Magic é exatamente igual o jogo de cartas. Você ganha baralhos básicos de todas as cores e, conforme joga, vai ganhando decks e cartas melhores, podendo editar os decks fechados que ganhou ou começar um do zero. Você disputa com outros jogadores em batalhas livres e modos ranqueados. É fácil de testar suas estratégias e seus baralhos e aprender como melhorá-los.

Quem aí já jogou?



Postar um comentário

0 Comentários