Resenha: Wicked - The Life and Times of the Wicked Witch of the West por Gregory Maguire

quarta-feira, janeiro 03, 2018


The more civilized we become, the more horrendous our entertainments
Quanto mais civilizados nos tornamos, mais terríveis são os nossos entretenimentos



Título: Wicked - The Life and Times of the Wicked Witch of the West
Autor: Gregory Maguire
Editora: Harper Collins Publishers
O livro recebeu uma versão em português, publicado pela editora Leya, com o mesmo título do original (Wicked).



When Dorothy triumphed over the Wicked Witch of the West in L. Frank Baum's classic tale, we heard only her side of the story. But what about her archnemesis, the mysterious Witch? Where did she come from? How did she become so wicked? And what is the true nature of evil?
Gregory Maguire creates a fantasy world so rich and vivid that we will never look at Oz the same way again. Wicked is about a land where animals talk and strive to be treated like first-class citizens, Munchkinlanders seek the comfort of middle-class stability, and the Tin Man becomes a victim of domestic violence. And then there is the little green-skinned girl named Elphaba, who will grow up to become the infamous Wicked Witch of the West, a smart, prickly, and misunderstood creature who challenges all our preconceived notions about the nature of good and evil.
Tradução livre: Quando Dorothy triunfou sobre a Bruxa Má do Oeste, clássico conto de L. Frank Baum (O Mágico de Oz), ouvimos apenas o lado dela da história. Mas e a sua arquiinimiga, a misteriosa Bruxa? De onde ela veio, como ela se tornou tão perversa? E qual é a verdadeira natureza do mal? Gregory Maguire cria um mundo de fantasia tão rico e vívido que nunca mais veremos Oz da mesma maneira. Wicked é sobre uma terra onde os animais falam e se esforçam para ser tratados como cidadãos de primeira classe; os Munchkins procuram o conforto e a estabilidade da classe média, enquanto Tin Man se torna vítima de violência doméstica. E então há a pequena menina de pele verde chamada Elphaba, que crescerá para se tornar a infame Bruxa Má do Oeste, uma criatura inteligente, espinhosa e incompreendida que desafia todas as nossas noções preconcebidas sobre a natureza do bem e do mal.



  Como já diz a sinopse, Wicked nos traz o outro lado de O Mágico de Oz - o lado da Bruxa Má do Oeste. Enquanto Gregory Maguire recria o mundo de Oz, Elphaba, a bruxa da pele verde, ganha voz ao contar sua própria história e colocar os pingos nos is do clássico.

  Contada sempre em terceira pessoa, a história é dividida em cinco partes, pendendo a cada momento para diferentes pontos de vista.

  A primeira parte, intitulada "Munchkinlanders" ("Os Munchkins", em tradução livre") pode ser considerada uma espécie de introdução, um prólogo, uma vez que conta detalhes de antes do nascimento da Elphaba, focando em seus pais, Frex, ministro etinerante e Melena, a neta do Eminent Thropp de Munchkinland (uma espécie de Rei) e sua relação com o nascimento de Elphaba, que para eles parecia um pequeno monstro.

  Desde o nascimento, Elphaba mostra-se diferente dos outros bebês. Não apenas pela cor de sua pele (verde), mas por suas atitudes, inesperadas para alguém de sua tenra idade.

  Na segunda parte, chamada "Gillikin", Elphaba já mais velha, recém-saída da puberdade, é levada para Shiz, onde inicia seus estudos. O grande cerne da trama se inicia nessa parte e acompanhará a mocinha-vilã, mesmo através do ponto de vista dos outros personagens. É nessa segunda parte que o enredo realmente parece começar em uma trama marcada por uma visão política, social e ética sobre a natureza do bem e do mal.

  Elphaba é uma moça mal compreendida que, por sua própria percepção de si, envolve-se na luta pelos direitos dos Animais, que antes tinham direitos iguais aos "humanos", mas os estavam perdendo. Ao entrar nesse universo, Elphaba acaba se envolvendo em uma briga política por poder, enquanto parece notar que é somente uma marionete do destino.



How could we tell if we were the paws of someone's darker game?






  Um fato: sou louca por musicais. Outro fato: sou apaixonada por Wicked. Assisti pela primeira vez uma versão da Broadway gravada por um espectador através do bom e velho Youtube. Eu sei, não me orgulho. Mas já conhecia a trilha sonora e queria porque queria assistir.

  A vida me levou a Londres em 2014, quando pude assistir ao vivo a versão britânica, e depois disso, meu amor apenas cresceu e, no auge da minha paixão, pedi que minha mãe trouxesse o livro quando ela teve a oportunidade assisti-lo em Nova York (inveja).
Comprei e não li.

  O musical veio para o Brasil em 2016 e ele ainda estava no final da minha lista de leitura.

  No ano passado, eu finalmente comecei a lê-lo e, para minha surpresa, não consegui terminá-lo. O histórico do meu skoob deixa bem claro: eu o comecei em junho de 2017 e somente agora, em janeiro de 2018, eu o terminei e explico o porquê...

  Gregory Maguire teve uma ideia brilhante. Decidiu contar o outro lado da antiga história sobre o Mágico de Oz e sua premissa era muito promissora. No entanto, meu sentimento pessoal é que ele começou a ter tantas ideias que não soube trabalhar todas.

  O livro tem um começo muito bom. A primeira parte, que mostra a família de Elphaba, tem um quê de mistério e um ar de que algo está vindo, algo vai acontecer, que cativa e que coloca dúvidas na cabeça, gerando uma vontade de conhecer, de entender o que vai acontecer.

  Mas a partir da segunda parte, todo esse sentimento se esvanece: em parte porque as coisas demoram a acontecer - por ser um jogo poder que é construído por anos - e em parte porque a escrita de Maguire é um pouco enfadonha. É muita descrição, muita argumentação, para pouca história.

  Méritos do autor que conseguiu construir quase que todos os personagens, mesmo os "terciários", de forma bem consistente. Mas essa consistência foi levada a um extremo que deixou a leitura um pouco cansada - o que, no meu caso, ainda foi piorado pelo fato de eu o ter lido em inglês (e eu estou acostumada a leitura em inglês).

  Além disso, algo que me incomodou bastante foi o fato de as partes pularem no tempo sem aviso. Não há qualquer indicação que já se passou algum tempo - você continua lendo a história, achando que é uma sequência próxima, mas descobre algumas páginas depois, que tudo que foi lido ocorrera depois de um intervalo de anos.

  Em resumo, o livro teve alguns pontos bem baixos - devo dizer da segunda parte até a metade da quarta parte. Só já quase na parte final que o gás retomou, talvez porque eu estava determinada a terminar de ler. Parte do final é esperado (quero dizer, ele não mudou os fatos originais), mas o que leva a cena final me pegou de surpresa de certa forma.

  Wicked foi um misto de decepção por um lado e surpresa por outro. Teve como ponto forte a trama, que eu achei que conhecia, por causa do musical, mas não conhecia; mas teve como ponto fraco a escrita em si. De qualquer forma, a Elphaba da primeira parte, a bebê verde, é tão encantadora, que não consigo dizer que o livro é ruim. Acho que vale a pena a leitura.



Nota



36 comentários:

  1. Que resenha maravilhosa, eu amo histórias que apesar de ter uma interpretação bem forte, traz esse outro lado, eu fiquei mega curiosa, acho valido pensar que o mal surge de algum lugar

    ResponderExcluir
  2. Amei sua resenha, clara, objetiva e muito boa. Fiquei tentada a ler, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Quando há esse ponto negativo de saltos longos, fica complicado. Mas parece ser uma boa leitura a ser adotada, fiquei curiosa. Acho que vou ler!! Hahah, beijos e sucesso!!!

    ResponderExcluir
  4. Oiiie,
    Parabéns pela resenha ficou muito boa, sobre o livro eu não conhecia, eu também fiquei curiosa pra ler igual muitos livros.

    ResponderExcluir
  5. Resenha super completa e apesar de achar a temática interessante, não sei se gostaria de ler devido a leitura pesada. =/

    Ah ta rolando sorteio no meu blog, se quiser participar será muito bem vinda!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns! Que resenha completa, rica em detalhes e fantástica! Ainda não conhecia o livro, mas quem sabe um dia eu não dê uma chance para essa leitura :)

    ResponderExcluir
  7. Não é o tipo de livro que costumo ler, mas me interessei!

    ResponderExcluir
  8. Fiquei com muita vontade de ler pela sinopse, porque eu amo O Mágico de Oz. Saber a história da bruxa Má!

    ResponderExcluir
  9. Interessante a história mas confesso que os pontos negativos me deram uma desanimada , não curto narrativas enfadonhas e que a história seja enrolada ..... Eu li um livro assim uma vez e desisti de terminar rsrs

    bjs!

    ResponderExcluir
  10. Tenho medo de começar a ler e parar pois não curto muito histórias que demoram a desenrolar...
    besitos

    ResponderExcluir
  11. Cara, eu acho genial quando escrevem o outro lado da história, sabe? Acho sempre muito interessante. Maaaas não sou a maior fã de livros que descrevem demais e demoram tanto pra desenrolar, e isso de o tempo mudar do nada também me deu uma desanimada, sem contar que eu não gosto muito do mágico de Oz HAHA aí juntando tudo, acho que não seria uma leitura que me agradaria, mas amei a resenha!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  12. Achei interessante o livro ser contado do outro lado da antiga história sobre o Mágico de Oz, não gosto de livros que confundem a gente como você disse nos pontos negativos do livro. Mas quem gosta desse gênero de livro vai gostar, bjs.

    ResponderExcluir
  13. Eu adoro este 'tipo' de personagem que é muito singular sem forçar muito no estereótipo de mocinha/vilã, popular/oprimida...já sei qual vai ser minha próxima leitura. Esse ano estou bem servida de indicações de livros!

    ResponderExcluir
  14. Oi
    Tudo bom?
    Eu já não tinha curiosidade em ler esse livro, mas apos ver que a narrativa é enfadonha eu passo longe dele.
    Gostei da sinceridade em sua resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olha gosto de livros com esse tema, o outro lado das histórias, contos de fada, mas não sei se leria esse livro, normalmente não consigo ler histórias com narrativa enfadonha como você disse, gostei da sua sinceridade! Abraços

    ResponderExcluir
  16. Não é o estilo de leitura que eu curto, mas adorei sua resenha. Vc escreve muito bem.

    ResponderExcluir
  17. Sua resenha ficou bem legal, no momento ainda não posso ler esse livro, pois estou com um em curso, mas com certeza quando tiver um tempo considerável vou querer dar uma leitura
    Obrigada por compartilhar

    Bjs (•_•)

    ResponderExcluir
  18. Eu gostei da temática do livro,confesso fiquei curiosa, adorei você ter falado dos pontos negativos pois nem tudo são flores, amei seu post <e

    ResponderExcluir
  19. Oi!!
    Eu adorei a resenha, o livro é bem interessante. Preciso ler 😀
    Bjo

    ResponderExcluir
  20. Ai que legal e que ideia maravilhosa do autor, sempre fiquei muito encabulada com a história da bruxa má do Oeste gostei muito de ver quando na série Once Upon a time inventaram uma história pra ela como sendo irmã da rainha má, agora fiquei super curiosa em ler esse livro vou ver se encontro nas livrarias pra aqui.

    ResponderExcluir
  21. Amei sua resenha!O livro deve ser muito bom mesmo!Valeu a dica Bjs Verônica Alves

    ResponderExcluir
  22. Gostei da sinceridade da resenha, às vezes nem sempre um livro tão desejado correspondente às nossas expectativas. A ideia de contar a história da Bruxa Má do Oeste é mesmo genial, parece ter sido bem apresentada no musical Wicked, que é um sucesso.

    ResponderExcluir
  23. Amei sua resenha, é tão completa, com informações ricas e interessantes. Tbm amo musicais, são incríveis. Sucesso!

    www.nerdbooksblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  24. Gostei bAstante da resenha... e mesmo não tendo sido sua melhor leitura, vi.o vc disse, vale a pena.
    E gosto de conhecer novos livros. Quero me surpreender.

    ResponderExcluir
  25. Que legal,nossa eu tinha visto a capa pensei logo no mágico de Oz antes de ler.Deve ser muito legal ver sob outro ponto de vista.

    ResponderExcluir
  26. Gosto bastante de releituras, elas sempre trazem uma nova visão para o que já achamos conhecer. Não gosto de histórias enfadonha, isso tira a beleza da leitura e me desanima horrores, então não me arriscaria a ler, mesmo gostando bastante de toda premissa do livro.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Por mais que tenha percebido que você se decepcionou em alguns pontos, a proposta de conhecer o outro lado da história me deixa empolgada. Acredito que acabarei lendo este livro.

    ResponderExcluir
  28. Oi Luisa, tudo bem?

    Sou para realizar a leitura deste livro, pois tenho quase certeza que iria me envolver demais, visto que adoro ver o outro lado da história. Para mim é uma pena que a história se torne confusa com as passagens de tempo, mas mesmo assim, creio que darei uma chance, pelas surpresas que você teve! Adorei a resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Adorei a resenha! Não conheço a obra, mas fiquei com muito interesse em saber mais a respeito. Abraços e parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  30. Tenho esse livro e não consegui terminar justamente por ser cansativo. Adoro tudo relacionado ao mundo de Oz mas ainda não consegui finalizar ele.

    ResponderExcluir
  31. Gostei da resenha, mas não sei se leria, não gosto de livros muito pesados e enfadonhos como descrito no ponto negativo, mas é uma história interessante :)

    ResponderExcluir
  32. Oie, tudo bem? Que resenha mais detalhada, achei incrível. Confesso que conheço a história do Mágico de Oz apenas do filme, mas nem ele assisti inteiro =/ Acho interessante quando autores contam a versão da história pelos olhos de outro personagem. Isso nos faz ver tudo sob outra perspectiva. Acredito que todos os livros sempre tem algo a nos ensinar, sendo a história boa ou não. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  33. Adorei sua resenha, super detalhada!
    Amo esse tipo de história que mostra o outro lado das histórias conhecidas.. quero muito ler esse!

    ResponderExcluir
  34. Enquanto estava lendo a resenha não pude deixar de lembrar da série Once upon a time rs e confesso que foi isso que me deixou curiosa para ler o livro rs e claro que já anotei o nome para comprar :)

    ResponderExcluir
  35. Olá! História que me prendeu atenção, viajei na tua viagem. Já quero ler na íntegra!

    ResponderExcluir
  36. Não conheço o musical, mas talvez ele tenha influenciado na sua expectativa pelo livro - como o fato de "O mágico de Oz" ser um de meus livros favoritos também influenciou na minha. Li em português e achei muitas falhas na tradução e também em revisão, por isso pretendo relê-lo em inglês um dia e continuar para os outros três livros. Concordo com o que você disse de o livro ser um pouco arrastado e de ter saltos temporais um pouco confusos, mas estou acostumada a esse tipo de narrativa, então não foi algo que me chamou a atenção de início. Mas, por mais que seja arrastada, acredito que a força da protagonista me impulsionou a continuar a leitura mesmo nas partes mais chatinhas. Muito legal trocar figurinhas com outra pessoa que leu o livro, adorei sua resenha, está muito bem escrita e traz um ponto de vista bastante pessoal sobre sua experiência com a leitura.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.