Sombras na Parede



Às vezes eu olho
Para a parede
À procura da sombra
Daquilo que éramos
Do sonho em que participávamos
Daquela matemática infalível
Que nos dizia
Que um
Fora feito pro outro
Daquele amor impraticável
Que nos vinha fácil
Do tamanho impossível da alegria
Contida no teu riso
De tudo o que nós éramos
Depois de nós mesmos
E tudo o que nós fomos
Depois do fogo se apagar

E às sombras retornarmos.



0 comentários:

Postar um comentário

 

Curta

Siga