Bastava Acreditar




Eu te conheci de uma forma totalmente diferente, eu não sabia quem você era ou como era.
Éramos como máquinas num mundo irreal  e você  era a princesa em busca de um príncipe.
E era óbvio que eu não era um príncipe, mas isso nos uniu.
Você morava em outra cidade, num reino bem bem distante.
Tinha apenas 15 anos e eu 16.
Como eu poderia correr até você e te ter em meus braços? 
Foram muitas tardes e noites conversando virtualmente, e eu digo que não foi preciso dos toques suaves dos seus dedos, dos seus  lábios macios para eu me apaixonar.
Eu não precisei me apaixonar por aparências, apesar de você ser linda, eu me apaixonei pelo o que você  realmente era, o que era por dentro.
"Quem foi que disse que pra tá junto precisa tá perto?"
Mesmo longe nós fomos capazes de sentir o amor, de se completar de alguma maneira, mas o que poderíamos fazer? Ninguém sabia sobre nós, além de sermos jovens.
Mas eu descobrir que amar é... 
Amar é o ato de imaginar você ao meu lado em todos os momentos mesmo quando estou sozinho.
É ficar a pensar como seria diferente se tudo o que acontecesse em minha vida tivesse você presente.
É sentar-se em um banco e guardar lugar para imaginar você ali juntinho de mim.
Todo o nosso tempo foi assim, eu e você e você longe de mim.
A distância não foi capaz de impedir o que nós sentimos de melhor, o amor.
E se não fosse esse mundo virtual eu jamais teria te conhecido. 
Dói eu sei que dói, mas eu aprendi o valor de um abraço, porque quantas vezes eu imaginava você em meus braços? 
Para as pessoas isso era uma perca de tempo, e com a idade que tínhamos, não podíamos fazer muita coisa com essa droga que eu chamo de distância.
O tempo e a distância revelam muitas coisas, nos levam e trazem coisas novas a todo momento, até que trouxeram alguém para você.
Você conheceu outra pessoa, e o que nós tínhamos foi se perdendo, o seu medo de me perder, e o meu medo de te perder fez com que nós nos perdêssemos.
Medo de que todo aquele nosso tempo fosse uma mentira, uma fantasia num mundo irreal, medo de não existirmos.
Mas a verdade é que eu não poderia dizer ou evitar que você conhecesse outras pessoas, era claro que você ia conhecer alguém que ia te abraçar, que ia te dizer coisas apenas com o olhar, e que tudo isso iria nos afastar, eu não queria te prender a algo que não sabíamos se daria certo, nós estávamos a quilômetros de distância.
Nada e nem ninguém nos apoiavam para continuar. 
Eu não sabia quanto tempo teríamos que esperar, nós ainda éramos jovens. 
Então eu tive que deixa-la...
Tive que acabar com aquilo, porque eu queria que você  realmente fosse feliz.
Isso foi a coisa mais difícil que eu fiz, como deixar partir alguém que você quer ao seu lado, mas você não pode ter?
Mas todo esse tempo eu só queria uma coisa... e era você.
Te perder ainda dói em mim, é horrível quando o seu coração diz sim e a sua boca diz não.
É triste a nossa história, porque ela acaba.
E é triste ver onde estou no tempo.
Sem poder voltar ao passado, e me ver sem coragem.
Eu te amei da maneira como nunca pensaria que um dia poderia amar.
Eu precisei de você como nunca pensei que precisaria de alguém.
E nos instante que eu me vi completamente apaixonado eu me perdi.
Te deixar ir foi a coisa mais difícil que eu já fiz, ver cada passo seu mais longe de mim era como um tiro em meu coração.
Não foram apenas quilômetros de distância, a distância foi além disso.
Mas eu aprendi o quanto esse amor foi verdadeiro e puro, o quanto é doloroso sofrer, o quão difícil é abrir mão daquilo que você mais quer, como a saudade é infinita.
Mas apesar de tudo você sempre será aquela música, aquela frase, aquele livro, aquele filme, que a gente não abre mão, que a gente não consegue esquecer. Porque você teve o poder de me mudar, de me fazer alguém melhor, todo esse tempo juntos e até mesmo separados. Por que compartilhamos o mesmo sorriso, a mesma dor, a mesma lágrima e acima de tudo o mesmo amor.





0 comentários:

Postar um comentário

 

Curta

Siga