One Night Stands



 Eles chegam em um grupo. Respiram fundo. Procuram sua presa. Ficam a espreita até fazerem contato visual. Ninguém se mexe. Um não pode assustar o outro. Ele avista sua presa. Ela é perfeita. É tudo o que ele deseja. Os dois se movem então no mesmo ritmo e na mesma direção. É uma dança calculada. A caça não sabe o porquê mas se sente envolvida pelo caçador. Ele sabe o que faz.

 Ele se separa do grupo e rasteja mais próximo para ter alcance do tiro. Passa pelos obstáculos e bebe do cantil. A boca esta seca e o líquido lhe dá coragem. Ele mira e dispara o tiro. Naqueles segundos que passam entre o dedo acionando o gatilho e a reação da caça, o coração pula uma batida. O mundo para.

 Ela retribui, dá a abertura necessária, é o movimento do corpo, é o cabelo jogado, é a piscada, é a mão no pescoço fazendo charme. É a mão dela na perna dele. Ela se inclina em sua direção. Ele saca a adaga e finca em seu flanco. Ela se derrete e se solta. Eles se beijam e se enlaçam. Os corpos se aquecem. A adrenalina flui entre eles e através deles.

 Já não estão mais na selva. Estão em sua clareira particular. Só existem os dois e mais ninguém. Ele a envolve, ele se esforça, ele sua e sente as gotas acariciarem suas costas. Ela devolve e arranha a carne.Ela também tem sede. É uma luta. Finalmente o sangue quente jorra e ele termina sua caçada.

 Ele respira fundo e sente o corpo todo vulnerável e leve. Aquela sensação sublime. Em um segundo tudo passa. Tudo volta ao normal. Seus músculos doem agora que a adrenalina se foi. Os braços enrijecem. As costas e as pernas falham. Então, ele a deixa correr novamente por entre as árvores. Ela olha para trás. Os olhares se cruzam, ela vira e continua seu destino.

 Ele volta para casa. Sozinho. Seu vício pela energia e pelo êxtase preenchido neste momento. O vazio ainda está lá. O prazer foi muito grande desta vez. A dificuldade, os obstáculos, a incerteza. A próxima caçada terá que ser maior. Mais desafiadora e mais incrível. Só assim ele irá...

 Ele irá o que? Conseguir o que precisa? O que lhe falta? O que ele realmente quer? O desafio.



0 comentários:

Postar um comentário

 

Curta

Siga