Esculpir

Foto: Vivian Maier





Como um viajante, que em cada passagem do percurso, anseia traduzir os símbolos do caminho; meus sentidos percorrem longos corrimões tentando traduzir os símbolos das almas. Sei que não cabe a mim, poeta, pergaminhar o presente e amassar as páginas do passado e arremessá-la nos bueiros da inconsciência.
  Essas longas caminhadas permanecem como perigosas caldas na hora que despenco. Depois, subo com mãos galgadas na certeza elementar do destino e pés fincados, para tatuar com pegadas, meu próprio delírio.
  Quando saio à noite, a procura da minha própria imagem de angustia, pelas ruas obscuras, onde entro nas cavernas nas esquinas e observo, seres voltando para casa, cansados, na adversária manifestação repetitiva, meus sentidos se alargam em voltas e voltas - como se águia fossem - e procurando uma fonte de água límpida para saciar minha voraz sobrevivência, eu, poeta, procuro em cada rosto, oculto ao próprio rosto, o segredo que possa traduzir o sentido para o movimento.




  Não, não canso de procurar.
  Mesmo nos meandros das matérias que se entrelaça em simbologia.
  Como alguém que não aprecia a música por não entendê-la, mas sente seu tom, roçando, suas mãos, como num gesto de cortesia, perante aquele que se ama cegamente. Eu escavo as aparências mais externas, não fico satisfeito com a superficialidade do gesto.
  Quero compreender os tilintar das palavras e ler os mais incompreensíveis movimentos. Sem hesitação, caminho até as vielas deles e procuro um livro-vida entreaberto para arremessar-me dentro. Encontro...
  Estendo a mão até o rosto, fechos olhos, como o ser que tateia a si mesmo num invisível e toco nas sombras das palavras, no olhar oculto debruçado na intimidade. Tudo e nada pulsam. Como a criança que acaba de nascer nesse exato presente, em algum lugar, muito além de nós.







2 comentários:

  1. Boa noite,
    Tudo bem?

    Excelente texto. Todos nós, poetas, procuramos entender o mundo, uma razão nisso tudo, para assim "esculpir" nossas obras de arte.

    Abraços
    www.rimasdopreto.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bom*** Obrigado por ler esse poema, Sr Honorato. Teu blog tem uma vivacidade maravilhosa. Só um detalhe: Gosto das cores verdes... rrsrsr

      Excluir

 

Curta