Singularidade






E de repente 
Não sou mais quem sou 
Duas histórias, duas versões 
Não sei mais o que me criou 

E sem dar conta 
Me vou afora 
Não sai por onde 
Ou para o quê 

Se por mim
Ou por você

E em mil noites 
De solidão 
Foi assim que a vi 
Na imensidão 

Brilhando só 
Na escuridão 
De um espaço 
Sem dimensão 

Um ponto estático 
E singular 
Em meio aquele mar;
O reflexo estelar



0 comentários:

Postar um comentário

 

Curta

Siga