Chuva




Som descontínuo, suave. Movimento sutil, impreciso e belo. Chuva é música e dança ao mesmo tempo.
Já dancei na chuva, já brinquei na chuva e tudo o que você fizer na chuva terá mais poesia. Chuva por si só é poesia.
Ela é um convite ao desapego. Quem está na chuva se entrega, se desapega de toda vaidade. Ela descabela, borra a maquiagem, amassa a roupa, encharca o sapato e mesmo assim nos deixa lindos.
É preciso ser livre para querer tomar chuva, pois ela é livre. Ninguém pode prendê-la, impedi-la, nem guardá-la num pote.
Ela celebra suas emoções da melhor maneira possível. Se você está feliz, ela banha seu sorriso e se está triste, camufla suas lágrimas.
Ela te consola, pois sempre chora mais que você. Sua dor é essencial para a vida. Algumas dores são necessárias porque às vezes fazem bem para alguém. 
Apenas quem é muito grande tem o poder de fazer o bem com sua dor.



Para J.R.S., que tem o Sol dentro de si e ilumina até o dia mais cinza.



2 comentários:

  1. Belo texto.
    Gosto de textos com temas diferentes do que estamos acostumados a ler.
    Bela homenagem :)

    Beijos e se cuida

    www.rimasdopreto.com

    ResponderExcluir
  2. Não há nada mais gostoso que aproveitar os dias de chuva, eles são melancólicos e alegres, preguiçosamente inspiradores. Seu texto é uma delícia, deu até vontade de sair andando na chuva sem medo de ser feliz.

    Beijos!

    ResponderExcluir

 

Curta

Siga