Palavras Amargas - Parte IV



Mãos Dadas

Você segurou minha mão, foi só o que você fez. Parece pouco falando assim, mas nós sabemos que a verdade é bem diferente. Você não me conhecia, mas me segurou com força quando eu estava caindo do penhasco e nunca mais me soltou.

Se eu consegui ficar em pé até hoje, foi por você. Foi no seu ombro que várias vezes chorei e várias vezes dormi; foi no seu abraço que vi o mundo desmoronar e se reconstruir. Quando estava com medo, a sua mão era a primeira que eu encontrava. Quando queria carinho, eu a sentia em minha cabeça. Você me fez mais forte e mais humana só com sua presença. Você me preencheu nos momentos de solidão e me transbordou nos momentos de êxtase.

Apaixonar-me por você foi uma consequência; calar-me diante disso, minha decisão. Queria ter dito o quanto te queria, mas não podia. Só podíamos ser amigos. O destino jamais nos permitiu ser algo a mais.

Fui obrigada a te assistir em outros beijos, fui obrigada a me satisfazer com outros braços, em um ciclo sem fim. Nunca estávamos os dois disponíveis, mas nunca nos soltamos. Não importava com quem eu estivesse, era você meu porto seguro. Não importava nossos relacionamentos, era sua mão que eu segurava. E eu jamais conseguiria soltá-la.

1 comentários:

  1. Nossa, isso está muito lindo *_* Está muito bem escrito. Escrito de uma forma suave que você consegue compreender perfeitamente o sentimento passado no texto.

    http://refugiorustico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 

Curta

Siga