Palavras Amargas - Parte III


Brinquedo

Você disse que gostava de mim – meu coração disparou e eu não escutei mais nada do que falou. Perdi o resto da conversa entre essas palavras e seu beijo. E fiquei boba pelo resto da noite, sorrindo feito a retardada que sou e imaginando mil histórias que começariam depois daquela confissão.

Cheguei em casa como o próprio passarinho verde; minha cama me acolheu, mas minha mente entrou em guerra com meus olhos. Não importava o quanto eu tentasse, não conseguia dormir. Soquei o travesseiro diversas vezes, virei para lá, virei para cá. E nada. Nada além do seu gosto. Com os olhos fechados, eu podia jurar que estava nos seus braços mais uma vez. Até seu cheiro eu sentia. Idiota. Típico de uma garota apaixonada. Mas você disse que gostava de mim, como não ficar daquele jeito? Rolei noites seguidas, ainda com vestígios seus no meu corpo. Esperando, esperando... e você nunca veio. Fiquei sem entender.

Quando te encontrei, me lembrei. Uma dor me atacou, como se partisse minha cabeça ao meio, trazendo as palavras daquela noite que eu fiz questão de esquecer. Palavras que partiram também meu coração ao meio. Gostar de mim, você gostava... mas não sabia o que queria.

Demorei a entender o que isso significava... Achei que você estava tão confuso quanto eu devido aos seus sentimentos. Meus pensamentos quanto ao que eu queria também não eram claros; eles corriam pela minha cabeça feito furacões, igual ao meu sangue pelo meu corpo quando você se aproximava. Mas estar ao seu lado bastava para que pelo menos minha mente ficasse em calma.

Achei que o mesmo ocorresse com você; que os seus sentimentos te consumissem de uma forma tão assustadora que você não soubesse o que fazer para dominá-los; que seus pensamentos corressem por mundos em segundos e sempre te levassem a mim; que seu corpo sentisse a cada segundo os restos do meu toque; que sua boca ainda sentisse meu sabor. Mas não... Não era nada disso. Você não precisou falar, eu entendi quando vi seus olhos.

Pois bem, essa daqui é pra você...  Eu cansei de me fazer de boba, cansei de sentar e esperar você tomar uma decisão e vir me procurar. Cansei de acreditar que isso é uma opção. Você não sabe o que quer; eu sei o que eu não quero – e eu não quero mais ser seu brinquedo. Para ter ciúmes, você lembra que eu existo; depois que vê que ainda me tem, some. Pode ficar com seus ciúmes, pode ficar com toda a sua prepotência de achar que pode decidir quando e como a gente “acontece”. Se você é inseguro, se você é imaturo, se você é indeciso, isso não é mais problema meu. Eu decidi por mim.




5 comentários:

  1. Oii,

    Que texto mais lindo e triste ao mesmo tempo. Você escreve muito bem, parabéns, viu? Sucesso que desse jeito tu vais longe!

    Beijos,
    http://comoum-sonho.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Confesso que inúmeras vezes me senti assim...
    Amei o texto.
    Beijos, beijos!

    Dearitgirl.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Final forte. Acho que conflitos assim são normais. O coração é complicado mesmo. Se tudo fosse facil o tempo todo, não teria graça.

    Obrigada pela visita no blog.
    Beijos. Te sigo.
    http://manuellamontesanto.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. nossa haha, achei que tinha entrado no tumblr sem querer!
    linda layout amando o blog e belo texto!
    beijos
    http://gabieomundosecreto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. olhaa... vc escreve mtmt beem,parabeens!
    d-a-r-k-paradise.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

 

Curta

Siga