O Lugar a que um Coração Pertence

by - quinta-feira, janeiro 30, 2014



Meus olhos não acreditaram no que eu via. Pisquei várias vezes; estava escuro, podia ser uma ilusão. Havia mesmo alguém sentado na pedra mirando às águas do lago? Tentei inutilmente reconhecer a pessoa que sozinha passava o tempo em tal lugar, mas àquela distância era impossível. Não conseguia ver o rosto da criatura, porém, o fato de estar no meio da madrugada, me deixou intrigado.

Aproximei-me devagar, não podia chamar muita atenção para minha presença. Passos calmos, passos calculados; se fizesse algum movimento brusco, poderia assustar quem quer que fosse que estava ali. Quando estava ao lado da pedra, a criatura se virou em minha direção, surpreendendo-me; não havia feito barulho algum. Mais surpreso estava pelo fato de reconhecer tal pessoa.

Aquela era a garota que tantas noites assombrara meus sonhos. O que ela fazia ali? Por tanto tempo eu a procurara e agora ela estava diante de meus olhos. Meu coração estava desesperado, sentia-o batendo em cada parte do meu corpo, que tremia, não permitindo que eu tomasse uma atitude.

O efeito daquela mulher era tão grande que eu não conseguia me mexer, não por vontade própria. Eu estava enfeitiçado por ela e nada mudaria aquela situação. Mesmo diante daqueles olhos tão aterrorizantes, tudo que eu sentia era desejo. Eu a queria mais perto de mim.

Sentei ao lado dela e com movimentos precisos, pus-me cada vez mais próximo de tal. A mulher não desviou, parecia me chamar para mais perto. Hipnotizado, meu corpo se moveu mais rápido; quando notei, ela estava deitada, meu corpo por cima e nossos rostos estavam muito próximos. Minha respiração estava ofegante, sentia meu peito dilatar e desinchar em um ritmo muito rápido. Ela, no entanto, não apresentava nenhuma alteração, sua respiração estava normal e não sentia seu coração bater rápido.

Eu a olhava com receio, então ela se adiantou e selou meus lábios com um beijo. Meu medo se dissipou, entreguei-me, retribuindo o carinho. Estava sentindo meu corpo muito quente, mas em especial no lado esquerdo do meu peito, exatamente onde ela repousava a própria mão. Conforme tal local esquentava, o resto do meu corpo esfriava.

Comecei a sentir frio - foi quando interrompi o beijo; meu corpo estava ficando cansado, mal conseguia manter os olhos abertos. Olhei em direção a mão dela e tudo que consegui ver foi meu coração batendo entre seus dedos.

Meus olhos começaram a se fechar e meu corpo parecia congelado. Eu sabia o que estava acontecendo: eu estava morrendo. Em alguns instantes o torpor da morte iria me apagar para sempre. A única visão diante de meus olhos era a ninfa com que tantas vezes eu sonhara.

Por algum motivo, aquela me parecia a morte ideal. Apesar de todo o frio, o local onde antes estivera meu coração permanecia quente; eu ainda o sentia bater. Apesar de tudo, ele estava no lugar certo, no lugar ao qual sempre pertencera.

-Você será para sempre meu e eu vou te amar eternamente – eu a ouvi dizer antes de apagar por completo.



(originalmente publicado em Plusert, revisado em 2014)

Leia Também

11 comentários

  1. Que lindo texto! Muito emotivo, tem amor que é mesmo assim, arranca nosso coração do peito. Tenha um final de semana abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Caramba! Vivi a cena na minha mente e achei o final excepcional! Esse texto é lindo demais, mostra tanta coisa sobre amor, sobre desejar e sobre morrer pela pessoa amada, mesmo que não seja de forma literal.
    Lindo!
    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
  3. Oooh, que texto triste (e lindo!).
    Menina, não faz isso com nosso coração não, rsrs. Ainda mais quando já não tô boa com a vida amorosa...

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Moça , que texto bonito e bem forte em? haha meu deu um "tum tum" mais alto no final, adorei

    http://gabieomundosecreto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Texto lindo! :)
    Ter um amor assim, para a vida toda, até a morte é incrível! :)

    Adorei o blog! :)

    Um beijo,

    http://www.algumasobservacoes.com/

    ResponderExcluir
  6. Que lindo! Olha, as vezes encaro textos que tem morte muito melhor, quando eles são precedidos de um amor tão grande.
    Adorei!

    www.naotenhopressa.com

    ResponderExcluir
  7. Texto mais que perfeito ♥

    http://sonhando-porai.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Que lindo, totalmente inspirador!
    A imagem que ilustra o post é perfeita.
    bjs
    blogtrashrock.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Uauuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu! Cara, você devia escrever contos, detalhes nessa cena, mais diálogos, mais detalhes, iria ficar perfeito. E claro, daria um bom fim de livro (que os leitores iriam te chamar de assassina por matar o personagem principal UHUL). Estou cada vez mais apaixonada pelos seus textos, juro que vi a ninfa retirando o coração dele e trazendo pra perto de si, achando que é o único jeito de ter o coração dele pra ela, talvez né?

    Um beijo, Fer.
    www.meianoiteequinze.com.br

    ResponderExcluir
  10. Nossa. Que forte, nunca vi ninguém escrever tão bem assim. Fiquei até com vontade de jogar os meus textos fora. '-'
    Parabéns, você escreve muito bem.

    Seguindo, segue de volta?
    verbalismos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que exagero D: Nem escrevo tão bem assim D:
      Esse conto é o primeiro de uma tendência minha mais sórdida - ainda que tá beeem leve. O livro que eu estou terminando de escrever está bem mais forte que esse conto D:

      Beijos.

      Excluir